Como criar o hábito da leitura

Infelizmente, os brasileiros leem pouco. Em média, segundo pesquisa do Instituto Pró-Livro, lemos menos de 3 livros por ano aqui no Brasil. Muitas vezes deixamos a leitura de lado para ficar no celular ou navegar na internet. Mas o hábito da leitura tem muitas vantagens. Além de conhecermos outras culturas ou aprendermos sobre um assunto novo, os livros também são uma ótima forma de diversão.

Eu sempre li muito, desde criança. Lia gibis, lia os livros da escola e sempre gostei. E eu fui criando esse hábito com o incentivo dos meus pais e de amigos. E algumas pessoas se impressionam com o número de livros que eu leio. Assim, eu separei algumas dicas que me fazem ler mais.

Ah, e no final do post, eu separei alguns livros pra você começar a colocar as dicas em prática. 😉

1. Separe pequenas metas diárias

Se você não lê nada ou lê pouco, comece lendo 15 minutos por dia, ou 10 páginas. Você decide, mas sem pressão. Se não cumprir em um dia, tente cumprir no outro. Se desafie, mas entenda que a leitura é um hábito, não uma competição.

Também é legal se você conseguir separar um tempo do seu dia pra se dedicar a leitura. Se você tiver um tempinho na hora do almoço ou chegar mais cedo em casa, aproveite esse tempinho pra pegar um bom livro e relaxar. Eu, por exemplo, leio todos os dias à noite, pelo menos meia hora antes de dormir. Isso faz com que eu até durma melhor porque me desligo das redes sociais.

2. Sempre tenha um livro com você

Outra coisa que eu faço é sempre levar um livro comigo. Eu tenho um leitor digital (Kindle) e ele é fácil de levar na bolsa, na mochila e alguns tamanhos até cabem no bolso. Mas se você ainda não conhece as vantagens de ter um e-reader, leve um livro pequeno com você (ou leia no celular). Assim, mesmo se você estiver em uma fila, numa sala de espera ou no ônibus, você pode aproveitar pra ler umas páginas a mais.

3. Veja conteúdo relacionado a livros

Se você usa o Instagram, comece a seguir perfis literários, se você está no Facebook, procure se tem alguma página literária no estilo que você gosta. E uma dica bônus: se você tem espaço no celular, baixe o aplicativo do Goodreads ou do Skoob, duas redes sociais voltadas especialmente para leitores com dicas, listas e que você pode organizar suas leituras.

Livros pra você começar a ler

Drama

Infantil

Não ficção

Boas leituras!

Resenha do filme: Destacamento Blood

Destacamento Blood (Spike Lee, 2020) conta a história de um grupo de quatro veteranos de guerra afro-americanos que retornam ao Vietnã para procurar pelo corpo do amigo morto em batalha e buscar por um tesouro que esconderam durante a guerra. Assista ao trailer abaixo.

O filme foi um lançamento da Netflix em 2020 e é uma das grandes apostas para o Oscar do ano que vem. É um drama de guerra bem carregado, com bastante crítica social característica do diretor Spike Lee. Em inglês, o filme se chama Da 5 Bloods, fazendo referência ao grupo formado pelos soldados Stormin’ Norman (Chadwick Boseman), Paul (Delroy Lindo), Eddie (Norm Lewis), Melvin (Isiah Whitlock Jr.) e Otis (Clarke Peters).

O diretor discute sobre racismo e como isso afeta de forma diferente as pessoas que sofrem esse preconceito. Durante o filme, ele também faz uma crítica aberta ao governo de Donald Trump e à guerra do Vietnã, onde a maioria dos soldados era negro, mas lutava contra um inimigo que não era deles.

“Lutamos por direitos que não tínhamos.”

O que eu mais gostei do filme é como ele mostra que, mesmo dentro das minorias, o pensamento das pessoas é bem diverso. Apesar de os 4 sobreviventes serem amigos e terem tido experiências em comum, cada um também teve suas experiências individuais e têm os próprios traumas. Isso fica claro no filme, porque cada um tem uma forma de pensar diferente.

Destacamento Blood foi o último filme da carreira do ator Chadwick Boseman, que faleceu em 28 de agosto desse ano devido a complicações de câncer. Ele era conhecido pelo papel de Pantera Negra nos filmes da Marvel e será lembrado com muito carinho pelos fãs do mundo inteiro.

Se inscreve no curso Histórias que deixam marcas e faça você também uma história para ser lembrada!

Se você gostou de “Entre Facas e Segredos”, vai gostar desses livros!

Sinopse

O famoso escritor de histórias policiais Harlan Thrombey (Christopher Plummer) convida a família para o seu aniversário de 85 anos na sua casa. No dia seguinte, ele é encontrado morto em um de seus quartos. A polícia aparece para investigar o crime e logo aparece o detetive Benoit Blanc (Daniel Craig) e descobre que todos familiares e funcionários são suspeitos.

O filme tem como base os romances policiais clássicos como Sherlock Holmes e livros da Agatha Christie. Mesmo parecendo uma adaptação de um romance de detetive, o roteiro é original e ganhou o Oscar na categoria em 2020. O diretor e roteirista Rian Johnson disse em entrevista para a Variety que teve a ideia do filme há 10 anos e se inspirou na própria rainha do crime, daí a semelhança da história.

O filme é um suspense divertido, com críticas aos governos atuais e com um elenco bem conhecido, o que levou muita gente pra ver esse filme (inclusive eu), mas o que mesmo são as reviravoltas, dignas de romances policiais clássicos. Você passa a desconfiar de todo mundo, afinal na casa não tinha mais ninguém a não ser a família e poucos funcionários. O filme tá disponível no Amazon Prime, clicando aqui você pode testar o serviço gratuitamente por 30 dias.

Se você gostou do filme, também vai gostar de…

Livros da rainha do crime (Agatha Christie)

Se você gostou do filme, recomendo MUITO que você leia qualquer obra de Agatha Christie. Já falei dela no post sobre 10 livros que me marcaram. Ela é a rainha do crime e como o próprio diretor de Entre Facas e Segredos conta, serviu de inspiração para a criação da trama. Entre os meus livros preferidos dela estão E Não Sobrou Nenhum, O Mistério do Trem Azul e Assassinato no Expresso do Oriente

Sério, vale a pena dar uma chance para a autora e conhecer o famoso detetive Hercule Poirot, a senhorinha que ama resolver crimes, a Miss Marple ou até mesmo outros personagens que querem solucionar ou cometer crimes.

Obras do Sherlock Holmes (Arthur Conan Doyle)

Quem não conhece o maior detetive de todos os tempos Sherlock Holmes, né? Eu gosto muito da série que está disponível na Netflix e das adaptações para o cinema (principalmente a do Robert Downey Jr.). Mas, como nenhuma adaptação substitui a leitura dos livros, eu recomendo começar por O signo dos quatro, Um Estudo em Vermelho e A Liga dos Cabeças Vermelhas

Além de todo o ar de mistério da história, também é legal porque voltamos a Londres no século XIX e conhecemos a mente maluca e engenhosa do personagem. Arthur escreveu contos e romances do personagem de 1887 até 1927, sendo que até hoje, Sherlock ainda é um dos personagens que mais aparece na ficção policial.

Gostou do post? Deixe seus comentários 🙂

Quer escrever histórias tão incríveis quanto essas? Faça o curso de Redação e Escrita Criativa!

Te vejo no próximo post!

Dark: melhor produção Netflix

Hoje eu vim falar de uma série bem doida, que tem muitos fãs e que foi considerada a melhor produção original Netflix: Dark. É uma série que mistura ficção científica, mistério e drama.

Se você já assistiu essa série ou já ouviu falar dela, você sabe que é uma série muito complexa, cheia de reviravoltas e incrível! Ela mostra a história das famílias Kahnwald, Nielsen, Doppler e Tiedemann numa cidadezinha alemã chamada Winden. A construção de uma usina nuclear e o desaparecimento de crianças parecem fatos isolados nesta cidade. Os crimes do presente têm uma forte relação com acontecimentos do passado e essas famílias vão descobrir o início e talvez o fim de tudo.

Dark é uma série alemã da Netflix, lançada em 2017 e teve sua última temporada em 2020. Ela atraiu muitos fãs que criaram mil teorias e explicações para os eventos bizarros que aconteceram a cada temporada. É uma série que só termina quando acaba, porque tudo só tem seu sentido completo realmente na 3ª temporada e mesmo assim, você sempre vai querer procurar teorias e explicações pra tudo que acontece.

Se você é uma pessoa perdida que nem eu, você pode se sentir confusa em certas partes. Não é uma série pra você assistir enquanto fala com o/a crush no WhatsApp, você precisa prestar atenção pra fazer a ligação de quem é quem, quando é quando e onde é onde. Legal mesmo é assistir com uma pessoa do lado pra poder conversar, criar suas teorias e se ajudar se ficar muito confuso.

Aviso: a partir daqui tem spoilers!

Eu não vou explicar a série, até porque pra isso precisaria de hora e já tem muito conteúdo bom por ai. Mas eu quero compartilhar um pouco do que eu achei com spoilers.

Quando eu assisti a primeira temporada, apesar de ter muita coisa em aberto no final, eu achava que a série poderia ter acabado ali mesmo que já tava bom. Mas aí veio a 2ª temporada, muito boa e mais doida ainda que a primeira. No final, achei que eles tavam inventando demais criando um novo mundo. Mas a 3ª temporada é realmente necessária e fechou muito bem a história, apesar de ser muito mais complexa do que eu imaginava quando comecei a assistir.

Pra mim, pelo que eu entendi, o ciclo foi encerrado sim, porque na mesa da última cena só estão os personagens que não foram afetados pela viagem no tempo. O comentário da Hannah que seu filho poderia se chamar Jonas pra mim, é só um comentário porque ela realmente gosta desse nome. Infelizmente (ou felizmente) nem tudo é explicado no final. Aquele novo personagem que aparece na 3ª temporada, o “infinito”, pra mim teve mais o papel de criar um mistério do que ser algo necessário.

Minha nota: 9/10 casaquinhos amarelos

Você tem alguma teoria sobre a série? Quer discutir comigo? Deixa aí nos comentários e bora teorizar!

Quer aprender a escrever histórias tão incríveis quanto DARK? Faça o curso de Redação e Escrita Criativa!

7 livros nacionais para tirar da estante

Pra comemorar o feriado da independência do Brasil (que é hoje se você não sabia), eu trouxe algumas dicas de livros nacionais pra você conhecer também e por que não aprender um pouco sobre autores que estão fazendo sucesso bem embaixo do nosso nariz e você não sabia?

O post de hoje é um incentivo pra você também separar os livros de autores brasileiros que você tem aí na sua estante e lê-los, você pode se surpreender. Coloquei na lista livros que eu já li e recomendo, livros que estou lendo e gostando e livros que eu quero ler muito em breve. Espero que você goste da lista e que te inspire a conhecer mais sobre a nossa literatura nacional!

Já li e recomendo

Uma mulher no escuro – Raphael Montes

Suspense e Mistério

Um crime brutal aconteceu há vinte anos deixando uma única sobrevivente e parece que o assassino está de volta. Victoria Bravo tinha quatro anos quando um homem invadiu sua casa e matou sua família a facadas, pichando seus rostos com tinta preta. Ela agora é uma jovem solitária e tímida, com pesadelos frequentes e sérias dificuldades para se relacionar.

O autor cria nesse livro uma atmosfera em que você tenta o tempo todo descobrir quem é o assassino, ele está de volta ou é só alguém tentando intimidar a protagonista. Eu já falei do Raphael Montes no post que eu fiz sobre 10 livros que me marcaram e eu simplesmente quero ler tudo que esse autor escrever. Uma mulher no escuro é o romance mais recente dele e é um bom livro para conhecer o autor. Ele é rápido de ler e você fica ansioso pra descobrir o final que, com toda a certeza, vai te surpreender.

Arquivo Serial Killers: made in Brazil – Ilana Casoy

Não ficção / crime

Ilana Casoy é criminóloga e autora de livros sobre crimes reais. Esse é o primeiro livro sobre serial killers brasileiros e foi escrito e produzido de uma forma muito cuidadosa e bem estudada. Foram cinco anos de pesquisas, visitas a arquivos públicos, manicômios e penitenciárias, além de entrevistas cara a cara com os assassinos. É um trabalho excelente pra quem tem interesse na área de psicologia forense.

Não preciso nem falar que esse livro é pra quem se interessa pelo assunto mesmo. Em certos momentos ele é bem descritivo e tem umas passagens mais sensíveis se você não está acostumado com leituras do gênero. Mas eu como leitora de thrillers e jornalista, devo dizer que fiquei impressionada com a coragem e a capacidade da Ilana de ir a fundo nessas histórias com essa investigação incrível. 

Fazendo as pazes com o corpo – Daiana Garbin

Autoajuda

Daiana Garbin, jornalista e criadora do canal EuVejo, conta nesse livro a sua história com a comida e sobre os transtornos alimentares que sofreu desde criança. Nessa leitura vamos refletir o quanto a pressão social afeta não só mulheres adultas como também meninas, gerando traumas que muitas vezes são tidos como mimimi. Eu não recomendo esse livro pra todo mundo, mas quem está insatisfeito com o próprio corpo e se acha “fora do padrão” com certeza vai tirar algum proveito da leitura.

O livro discute sobre autoaceitação e você se impor um padrão que só existe na sua cabeça. Ele aborda muito mais a questão psicológica de você se aceitar da forma que você é do que propriamente debater sobre temas como gordofobia ou obesidade. A própria autora conta que nunca esteve acima do peso, o problema era como ela se enxergava. Se você for ler, leia com a mente e o coração abertos, porque acho que alguma lição você vai tirar desse livro.

Lendo e amando

Cova 312 – Daniel Arbex

Memórias / História do Brasil

Nesse livro, a jornalista Daniela Arbex investiga a história real de como as Forças Armadas mataram pela tortura um jovem militante político, sumiram com seu corpo e forjaram um suicídio. E continua investigando até descobrir seu corpo, na Cova 312 e ainda apresenta uma revelação surpreendente para mudar um capítulo da história do Brasil. 

Ainda estou lendo ele, mas até onde eu o li, ele apresenta cenas bem pesadas, mas infelizmente necessárias pra gente entender um capítulo da nossa história que aos poucos parece ser esquecida. Não tem como negar as torturas que aconteceram no período da ditadura ao ler esse livro. Ele vai te abrir os olhos pra tanta coisa que aconteceu de errado nesse período e para autoridades que tentam esconder até hoje os erros e crueldades do passado. Recomendadíssimo pra quem quer conhecer mais sobre a história do Brasil.

Quero ler

Bom dia, Verônica – Andrea Killmore (Raphael Montes e Ilana Casoy)

Suspense e Mistério

Depois de indicar um livro do Raphael Montes e um da Ilana Casoy (por coincidência), eu vou falar um dos livros que eu tô mais ansiosa pra ler. Bom dia, Verônica foi publicado em 2016, escrito por Andrea Killmore, uma “autora estreante” que ninguém sabia quem era. Porém em 2019, a Darkside divulgou que Andrea na verdade era apenas um pseudônimo para dois nomes de grande peso na literatura policial brasileira: Montes e Casoy. Desde então, fico com os olhinhos brilhando por esse livro.

Sinopse: Em “Bom dia, Verônica”, acompanhamos a secretária da polícia Verônica Torres, que, na mesma semana, presencia de forma chocante o suicídio de uma jovem e recebe uma ligação anônima de uma mulher desesperada clamando por sua vida. Com sua habilidade e sua determinação, ela vê a oportunidade que sempre quis para mostrar sua competência investigativa e decide mergulhar sozinha nos dois casos. No entanto, essas investigações teoricamente simples se tornam verdadeiros redemoinhos e colocam Verônica diante do lado mais sombrio do homem, em que um mundo perverso e irreal precisa ser confrontado. O livro está sendo adaptado para uma série da Netflix e tem o lançamento previsto para 1º de outubro de 2020.

Ultra Carnem – Cesar Bravo

Horror

Pra ser sincera, eu sei bem pouco sobre esse livro. Ganhei ele tem alguns anos, na época em que eu comecei a ler livros de terror e ele tá aqui na minha estante até hoje. Mas apesar de ter um pouco de medo de ler ele, eu tenho muito interesse. Essa capa me chama muito a atenção e nem preciso falar que as edições da Darkside são impecáveis. E eu vou tirar ele da minha estante logo logo.

Sinopse: Era um encontro inevitável. De um lado, a Caveira querendo publicar revelações da literatura de terror nacional. Do outro, um farmacêutico carismático com um toque de “O médico e o monstro” desejando dar voz às possibilidades sombrias que corriam em suas veias. O pacto foi selado em latim e da união entre Cesar Bravo e a editora mais sombria do mercado nasceu um livro visceral. Narrativas insanas, repletas de pactos, demônios, conversas capciosas, sangue, socos na boca do estômago e… bom, a gente não vai contar tudo. Só o que podemos revelar é que Ultra Carnem expande em muito a mitologia criada por Cesar Bravo, dando detalhes assustadores sobre a infância e a obra maldita de Wladimir Lester, o estranho menino pintor.

O Casamento – Nelson Rodrigues

Romance

O último livro da lista é um livro polêmico. Eu ganhei esse livro de uma caixa de assinatura de livros e já tentei lê-lo, mas acabei abandonando no meio. Porém, eu tenho ele aqui na minha estante e li há pouco tempo algumas resenhas positivas sobre ele, então resolvi dar mais uma chance. Espero gostar, apesar de entender que ele foi escrito por um autor polêmico e em uma época que estava longe de existir o politicamente correto.

Sinopse: A apenas um dia do casamento de Glorinha e Teófilo, o médico da noiva avisa ao pai dela que seu futuro genro foi flagrado em um incidente homossexual. Esse é o ponto de partida para Nelson Rodrigues desfilar sua genialidade irônica e o humor negro tão característicos de sua narrativa. Escrito por encomenda para Carlos Lacerda, O casamento foi publicado em 1966 e alcançou sucesso extraordinário em poucas semanas. O romance foi proibido pelo ministro da Justiça do governo de Castello Branco, tendo sido considerado subversivo e indecoroso.

E você, tem muito livro nacional encalhado na estante? Conta pra mim se você já leu algum desses livros e o que você achou deles!

Lembrete: Eu faço parte do programa de afiliados da Amazon. Se você quiser comprar algum produto indicado aqui, toque nos links que estão no post, assim você ajuda o blog a crescer e não paga mais nada por isso. Obrigada 💗